Dando continuidade a nossa conversa sobre Harmonização Facial hoje falaremos sobre Bichectomia.

A bichectomia é o procedimento em que há a retirada total ou mesmo parcial de duas bolsas de gorduras (coxim adiposo bucal) presentes uma em cada lado da boca, entre o maxilar e a mandíbula, chamadas de bolas de Bichat. Essas bolsas de gordura estão presentes no corpo, não importa se a pessoa está ou não acima do peso.

Os procedimentos de bichectomia podem ajudar a reduzir as bochechas arredondadas e definir as maçãs do rosto, deixando a aparência um pouco mais esculpida e promovendo um lifting facial.

Essas gorduras são necessárias nos primeiros anos de vida, para ajudar na sucção e alimentação de bebês. Portanto, sua função é importante durante a amamentação, mas deixa de existir após o crescimento.

Indicações

Por se tratar de procedimento cirúrgico irreversível, deve ser muito bem planejado e indicado respeitando as limitações do paciente e do procedimento e expectativas do paciente.

Pode ser indicada para indivíduos que:

– apresentem lesões recorrentes por trauma (mordiscamento) das bochechas, que pode levar a lesões mais sérias

– pacientes que desejem aparência da face mais angulosa ou esculpida, reduzindo o aspecto arredondado ou ovalado (harmonização da face)

– Pacientes que apresentem assimetrias faciais

– Como complementação de outros procedimentos cirúrgicos.

Contraindicações:

O procedimento, por se tratar de uma cirurgia, é contra indicado para pacientes que:

– apresentem problemas de saúde (cardíacos, diabéticos, doenças autoimunes, doenças dermatológicas, etc.)

– doenças infecciosas ativas na pele, organismo ou mesmo na boca

– que apresentem parafunção muscular

– ou ainda por contraindicação médica.

O procedimento

Quando a bichectomia é feita sem associação a nenhum outro procedimento, a cirurgia é intraoral, ou seja, o corte é feito dentro da boca, pois as mucosas bucais tem uma melhor cicatrização e não deixam marca aparente. Nesses casos o paciente recebe anestesia geral, anestesia local, ou sedação. Depois, o médico ou cirurgião-dentista procura as marcas anatômicas no interior de sua boca que indicam a localização das bolas de Bichat. Uma incisão é feita e as bolsas de gordura são removidas totalmente ou apenas em parte. Após sua remoção são realizadas, de acordo com a necessidade do corte, algumas poucas suturas (pontos) para aproximar o tecido incisionado e manter o local do corte fechado ajudando na cicatrização, higienização e alimentação no pós-operatório. Em geral o procedimento dura entre 45 minutos à 1 hora, podendo variar de acordo com características do paciente ou preferências do profissional.

Pós-operatório

O pós-operatório geralmente é simples, porém exige a colaboração do paciente para isso. Normalmente ocorre um inchaço na região, podendo haver até hematomas, devido ao corte cirúrgico, que pode ser tratado com o uso de compressas de água fria ou gelo. Caso a incisão tenha sido intra-oral, indica-se evitar consumir alimentos cítricos, que podem causar maior desconforto. Também é recomendada uma alimentação mais líquida/pastosa e fria nos primeiros dias e repouso de pelo menos 48 horas. Além disso, o uso de protetor solar com fator de proteção solar maior de 30 é muito importante.

Em quanto tempo o resultado aparece?

O resultado esperado da cirurgia é um afinamento discreto do rosto, porém em pacientes com bochechas mais proeminente o resultado pode ser mais perceptível. Pode ser percebida uma mudança dos contornos da face imediatamente após o procedimento, mas isso varia de acordo com o inchaço pós-operatório de cada paciente. Os resultados iniciam em média em 3 semanas, com resultados definitivos em 3 meses após o procedimento.

Riscos do procedimento

Assim como qualquer procedimento a nível cirúrgico, esse também apresenta riscos inerentes, que podem ser transitórios ou permanentes, de acordo com os cuidados do profissional e variações da anatomia do paciente. As complicações podem ser hematomas, abcessos (inchações causados por infecção), trismo (dificuldade de abrir a boca), lesões em nervos ou glândulas salivares, dentre outras, que podem levar a paralisias transitórias ou permanentes, assimetrias da face, comprometer a saída de saliva diminuindo o fluxo salivar, etc.

Bichectomia não envelhece

É importante ressaltar que, com o passar dos anos há uma ptose da pele (flacidez) e uma perda de gordura que ocorrem naturalmente, mas que não sofrem interferência somente por esse procedimento, já que essa gordura não promove a sustentação da pele do rosto de forma isolada. Uma combinação de fatores leva a essa perda de sustentação da pele e aparência mais envelhecida com o passar do tempo. Por isso é de fundamental importância realizar procedimentos de cuidados com a pele desde cedo, como forma de prevenir e amenizar os efeitos do envelhecimento e da gravidade sobre o aspecto da face.

Procedimentos aliados da estética e da harmonia da face

Além da bichectomia, o paciente pode realizar outros procedimentos para promover maior sustentação da pele, rosto mais angulado, aparência mais jovem e harmônica. Converse com um profissional de sua confiança e conheça o mundo de possibilidades que a harmonização facial pode te oferecer.

Em caso de dúvidas ou maiores informações nos contate pelo telefone (54) 3519.4665, no WhatsApp (54) 98424.4665, ou em nossas redes sociais @eliteposgraduacao @eliteclinicaodontologica e agende sua avaliação, teremos muito prazer em lhe atender!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*